Detectamos que você está usando um navegador desatualizado. Isso impedirá que você acesse certos recursos. Atualizar navegador

remote working

Trabalho remoto: antes e agora.

Enquanto milhões de pessoas em todo o mundo continuam a trabalhar em casa, nosso Diretor de Saúde, Segurança, Meio Ambiente e Proteção, James Pomeroy, discute os desafios que muitos têm enfrentado até agora e o que está por vir.

Para muitas empresas, a tecnologia permitiu que a força de trabalho passasse rapidamente para o trabalho remoto. Para algumas, houve dificuldades em relação à capacidade dos sistemas para uso em massa - aquelas empresas que já haviam realizado testes de blecaute antes da pandemia ou logo no início, estavam melhor preparadas. Aqui no LR, nossos sistemas tiveram um bom desempenho porque são baseados em nuvem e já tínhamos feito investimentos consideráveis em nossa capacidade de trabalho remoto.

Isso não quer dizer que não tivemos desafios. De uma perspectiva ergonômica, a maioria das pessoas pode trabalhar por um curto período de tempo com um laptop, mas o uso prolongado pode se tornar um problema real. A maioria das organizações normalmente só reembolsam os colaboradores por equipamentos adicionais quando o seu emprego estipula que eles estejam permanentemente ou semi permanentemente em home office.

Os governos oferecem conselhos sobre como lidar com questões ergonômicas que podem ajudar aqueles que trabalham temporariamente de casa. Por exemplo, o Gabinete de Saúde e Segurança do Reino Unido oferece orientações sobre passos simples que as pessoas podem tomar para reduzir os riscos do trabalho com monitores:

  • Interrompa longos períodos de trabalho com intervalos de descanso (pelo menos cinco minutos a cada hora) ou mudanças na atividade
  • Evite posturas estranhas e estáticas, mudando de posição regularmente
  • Levante-se e mexa-se ou faça exercícios de alongamento
  • Evite a fadiga ocular mudando de foco ou piscando de vez em quando

De forma mais geral, somos animais sociais e prosperamos na interação. Muitas das informalidades que tomamos por garantidas a cada dia são o que nos estimula. Além disso, inovação e criatividade talvez funcionem melhor através da interação - reuniões remotas podem ajudar nisso, é claro, mas não é o mesmo que um brainstorming frente a frente com um grupo de colegas.

Mantendo as pessoas saudáveis

Tive a sorte de ter sido ensinado no início da minha carreira de segurança por um renomado especialista e um dos pioneiros da IOSH, John Ridley, que escreveu um dos mais antigos guias confiáveis sobre segurança e saúde no local de trabalho. As questões que ele usou ao considerar como manter as pessoas seguras física e mentalmente dentro do local de trabalho permanecem comigo e são tão relevantes agora como eram na época:

O que vem agora?

Enquanto alguns países já viram os funcionários retornarem ao local, outros ainda estão em processo de isolamento e pensando em como fazer os funcionários voltarem para os escritórios.

Embora a convocação para o trabalho remoto entre as empresas possa ter sido relativamente rápida e universal, é provável que o retorno seja escalonado e gradual.

Além do parecer de governos em cada país, os outros fatores que podem moldar o risco são as formas de transporte que os colaboradores utilizam para chegar ao escritório; circunstâncias pessoais como crianças em casa e a capacidade das empresas de facilitar o distanciamento social dentro do local de trabalho.

Os funcionários mais vulneráveis ao vírus, ou que estejam vivendo com membros da família vulneráveis, serão aconselhados a continuar isolados e, dependendo do risco, isso afetará sua capacidade de assumir qualquer função presencial ou no escritório. O ideal seria que as empresas considerassem as circunstâncias de cada funcionário ao decidir quem deveria retornar ao escritório primeiro. As organizações têm um dever de cuidado para com todos os colaboradores.

Viajando a negócios?

Viagens internacionais a negócios provavelmente continuarão complicadas por um longo período de tempo. Com receio de importar casos, é provável que restrições de viagem de várias formas permaneçam, desde o rastreamento e quarentena melhorados até restrições de entrada de cidadãos de países onde o vírus está crescendo ou é percebido como não estando controlado.

Espera-se também que a disponibilidade de voos permaneça limitada à medida que as companhias aéreas lutam para manter regras de distanciamento social a bordo e garantir um número suficiente de passageiros para viabilizar as rotas.

Alguns analistas de segurança sugerem que a COVID-19 provavelmente reformulará as restrições de entrada na fronteira para saúde e higiene de forma a alterar as precauções para a segurança do viajante. Se este for o caso, precisamos considerar como as viagens internacionais serão conduzidas nos próximos meses, prestando mais atenção ao planejamento e autorização prévia de viagem, e ao gerenciamento médico durante a viagem.

Mantendo a vigilância

À medida que o isolamento termina e a interação social se restabelece, é provável que vejamos um aumento de grupos de casos suspeitos e reais. As empresas precisam se preparar para isso, especialmente como planejam o trabalho presencial e como responder a doenças relatadas e contato potencial.

Considerar como e onde as pessoas vão interagir será fundamental. Isto é particularmente crítico, pois espera-se que o vírus permaneça conosco por muitos meses e a complacência e a fadiga com as precauções será um desafio cada vez maior.

Abordagem de risco no futuro

As empresas que responderam melhor são aquelas que tiveram uma visão mais ampla de seus riscos, investiram em sistemas e, mais importante, focaram na agilidade e na resiliência dentro de sua abordagem de segurança e gestão de riscos.

Alguns sistemas de gestão como a ISO 45001:2018 exigem que as organizações estabeleçam e mantenham procedimentos para identificar potenciais cenários de emergência; responder a acidentes e emergências e prevenir e mitigar quaisquer impactos e riscos ambientais que possam estar associados a acidentes e emergências.

Ouvimos diretamente de empresas que foram certificadas pela norma ISO 22301 de Gestão da Continuidade de Negócios que se sentiram tão preparadas quanto poderiam estar para enfrentar qualquer interrupção diante do combate à pandemia.

E há outras normas com um elemento de Resiliência Organizacional incorporado que ajudou as empresas a se sentirem confiantes de que tinham os sistemas e processos certos para ajudá-las na transição para o trabalho remoto rapidamente.

Y hay otras normas con un elemento de Resiliencia Organizacional incorporado que ha ayudado a las empresas a sentirse seguras de que han tenido los sistemas y procesos adecuados para ayudarles a hacer la transición al trabajo a distancia rápidamente.

Entretanto, de forma algo compreensível, as emergências identificadas historicamente tendem a ser incidentes que já vivemos anteriormente, tais como incêndio, ferimentos / doenças, derramamentos e vazamentos, resgate em espaços confinados, clima adverso como neve, vento, enchentes, incidentes de segurança e violência e agressão. Em essência, o foco tem sido os incidentes que têm origem dentro da organização relacionados à sua localização, natureza do trabalho, máquinas, produtos químicos ou riscos vizinhos.

No futuro, as organizações precisam considerar outros incidentes irregulares e anormais que ocorrem fora do local de trabalho, pois a frequência e a intensidade desses eventos está aumentando. Isto ajudará a garantir que elas estejam melhor preparadas para lidar com tais ocorrências quando elas surgirem novamente.

INSIGHTS

O que pensamos

Os especialistas do LR compartilham regularmente suas pesquisas e insights.

Entre em contato

Apertar enter ou seta para pesquisar Apertar enter para pesquisar

Ícone de pesquisa

O que você está procurando?